Rio de Janeiro terá peça de teatro onde Pedro é traficante, Maria lavadeira e Jesus é morto queimado em microondas

Rio de Janeiro terá peça de teatro onde Pedro é traficante, Maria lavadeira e Jesus é morto queimado em microondas
Um Messias negro, morador de uma favela carioca, morto queimado por traficantes. Uma das histórias mais encenadas no planeta, o auto da vida de Jesus Cristo terá versão que promete gerar polêmica nesta Páscoa. O espetáculo ‘Outra Paixão’ adapta passagens do Evangelho para os dias atuais tendo a criminalidade do Rio de Janeiro como pano de fundo.
Montagem da Companhia de Teatro Provocação, formada por jovens moradores de comunidades carentes do Rio, a peça será apresentada na Sexta da Paixão e Sábado de Aleluia, no Ciep João Batista, na Cidade de Deus.
Na sinopse de ‘Outra Paixão’, o protagonista Messias é um jovem que tenta evangelizar dois amigos envolvidos com o tráfico de drogas. Mas acaba traído, acusado de estar diminuindo o lucro da venda de drogas, recuperando usuários. Azul, um policial corrupto que fornece os entorpecentes para os bandidos da comunidade, condena Messias à morte. Em vez de pregá-lo na cruz, Azul o mata no “micro-ondas” – quando a vítima é queimada viva presa a pilha de pneus.
Idealizador do espetáculo, o diretor Adilson Dias, 30, diz que sua intenção é humanizar a história de Cristo. “Dois mil anos de Jesus Cristo santo não deu jeito na humanidade. Precisamos acreditar em um Jesus mais humano, próximo da nossa realidade”, argumenta.

Negado ao som de tiros

Além de Jesus, outros personagens como Maria, Maria Madalena, Pedro e Judas também estão no elenco. “Maria é uma lavadeira, como muitas senhoras de comunidades. Maria Madalena é uma jovem espancada pelo marido. Pedro e Judas, que na montagem atende pelo vulgo Pereba, são os traficantes. Messias é negado ao som de três tiros, e não do Galo como na Bíblia”, explica Adílson, que recebeu apoio de empresários da Barra da Tijuca para montar o espetáculo.

Cuidado nos ensaios

Intérprete do policial que executa Messias, o ator André Carvalho, 30, conta que o teatro impediu que ele entrasse para a criminalidade. “Perdi pai e dois irmãos para o tráfico. Mesmo indiretamente você acaba se envolvendo. As artes me salvaram. Por isso, encenar esse espetáculo é um desafio a mais”, afirma.
Com classificação etária para maiores de 12 anos, a peça usa réplicas de armas e precisou de cuidados na escolha de local de encenação e ensaios. “Foram cinco meses ensaiando. A ideia inicial era usar ruas da comunidade, mas como temos réplicas, achamos mais prudente um lugar fechado”, explica Adilson, que também contou com a colaboração de policiais militares da UPP da Cidade de Deus

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DN1 A Banda que está conquistando o Brasil

Bomba: Vaza vídeo íntimo de cantor gospel se exibindo da webcam

J.Neto grava “Eu sou esse cara”, versão gospel da música de Roberto Carlos. Ouça